Site da empresa saiu do ar na tarde do dia 23/02

 

A farmacêutica brasileira EMS, com sede e principal fábrica em Hortolândia (SP), é a mais nova vítima de cibercriminosos, a EMS comunicou ao mercado, através da CVM, nesta manhã confirmando um incidente cibernético em sua rede. Os primeiros rumores de um possível incidente no EMS surgiram nas redes sociais à noite, mas às 11h da manhã do dia 24 a assessoria de imprensa só pôde confirmar com os consultores do CISO.

Segundo informações próprias, a empresa foi fundada há mais de 57 anos e é líder do mercado farmacêutico brasileiro há 15 anos consecutivos, e faz parte do Grupo NC, um dos maiores conglomerados brasileiros. A empresa também é líder em genéricos desde 2013 (IQVIA 2020) e é um dos maiores laboratórios de preferência de prescrição do Brasil.

 

Nota oficial enviada para a imprensa:

O laboratório farmacêutico EMS informa que, na quarta-feira (23 de fevereiro), houve uma tentativa de invasão de seu sistema de computadores. A empresa prontamente executou os protocolos de segurança e está atuando para restabelecer os seus sistemas no menor tempo possível. Até o momento não foi identificado vazamento de dados e a distribuição de medicamentos não sofreu alterações.

A EMS ainda não detalhou nenhuma informação sobre o ataque.

Vale lembrar que segundo a consultoria alemã Roland Berger, o Brasil ficou em lugar 5º dos países que mais sofreram crimes cibernéticos no ano de 2021. Apenas no primeiro trimestre houve um total de 9,1 milhões de ocorrências, mais que o ano inteiro de 2020.

Com os conflitos entre Ucrânia e Rússia, o FBI publicou uma nota referente ao risco sobre ondas massivas de ataques do tipo ransomware (sequestro de dados).