Com a evolução da tecnologia, a maneira como os negócios são conduzidos mudou, mais dados são armazenados e tratados pelas organizações a cada dia e com isso ataques virtuais vem se tornando mais frequentes.

Nos últimos anos o número de ataques cibernéticos teve um drástico aumento e estima-se que o custo global do cibercrime atingirá a marca de US$ 6 trilhões no ano de 2021, o que justifica o crescente investimento das organizações em cibersegurança. Os riscos cibernéticos são uma realidade independente de políticas, soluções ou softwares para prevenir contra incidentes cibernéticos, um seguro cyber pode ser um grande aliado na sua estratégia de segurança da informação.

Uma vez que novas vulnerabilidades são descobertas praticamente todos os dias, apenas o investimento em proteção não é o suficiente, sendo assim, ter um plano de contingência é essencial. Trazendo isso para o cenário brasileiro, onde a cultura de cibersegurança ainda é pouco desenvolvida, devemos ter em mente que não é uma questão de “se” ocorrer um incidente, mas sim, “quando” ocorrer um incidente.

Tendo em vista a crescente necessidade de se mitigar os prejuízos causados por incidentes cibernéticos e outras formas de falhas na segurança que afetam dados, sistemas e a imagem da organização, foi criada a modalidade de seguros denominada Cyber Seguro, que atua como proteção aos segurados contra incidentes cibernéticos. O Cyber Seguro garante a responsabilidade de eventuais prejuízos decorrentes de incidentes como roubo e vazamento de dados, podendo atingir uma ampla gama de coberturas, como: custos de gerenciamento de crises, extorsão cibernética, multas e sanções administrativas, lucros cessantes da empresa e de terceiros, entre muitas outras. Com uma vasta gama de coberturas, essa modalidade de seguro exemplifica exatamente a variedade de riscos e prejuízos que podem ser causados por uma falha na segurança de dados, prejuízos esses que nem sempre são levados em consideração na previsão orçamentária usual das empresas, que em sua maioria não consideram a possibilidade de serem vítimas de um incidente de segurança cibernética como algo próximo a sua realidade.

Só em 2019 a modalidade de Cyber seguros teve um aumento de 55% nas contratações, crescimento este que está ligado diretamente as exigências trazidas pela LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Esses números representam um avanço do Brasil no cenário de segurança digital e na conscientização sobre a relevância da proteção de dados. Com as exigências trazidas pela LGPD, todas as empresas independentemente de seu tamanho, terão que reavaliar seus métodos de coleta e tratamento de dados, sempre prezando pela segurança, e a contratação de um seguro em sua estratégia de cyber, tendo em vista o crescente aumento dos riscos de incidentes de segurança, será uma arma presente para ajudar na recuperação do ambiente, além de minimizar ou cobrir de forma completa possíveis custos de sansões ou multas impostas pela LGPD.

Muito embora o Cyber Seguro não substitua a observância às diretrizes trazidas pela LGPD, que deverão ser implementadas por meio de um programa de adequação cuidadosamente elaborado, a segurança pela existência de cobertura de eventuais riscos residuais existentes por seguro específico é inegável.

Os riscos à segurança através do cibercrime continuarão não apenas existindo, mas aumentando, uma vez que com a evolução das tecnologias, as técnicas adotadas pelos cibercriminosos tornam-se ainda mais sofisticadas, aguçadas e agressivas.

 

Assim, o Cyber Seguro é, inegavelmente, uma arma poderosa das empresas rumo à mitigação dos possíveis prejuízos causados por incidentes cibernéticos.